Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Seduc começa mobilização da comunidade escolar para os “Estudos de Recuperação”

Primeiro encontro com coordenadores regionais e chefias pedagógicas ocorreu nesta quinta-feira (19) na sede da Famurs

Publicação:

Secretária Raquel Teixeira realizou a abertura do evento de preparação dos "Estudos de Recuperação"
Secretária Raquel Teixeira realizou a abertura do evento de preparação dos "Estudos de Recuperação" - Foto: Diego da Costa
Por Diego da Costa

A mobilização da comunidade escolar gaúcha para a preparação dos “Estudos de Recuperação” começou nesta quinta-feira, 19 de janeiro, com a presença dos 30 Coordenadores Regionais de Educação e as respectivas Chefias Pedagógicas das Regionais. O encontro, realizado na sede da Famurs, na Capital, promoveu a análise dos dados educacionais referentes às taxas de aprovações, a situação socioeconômica dos estudantes, a importância da valorização dos níveis de aprendizagem, os impactos sociais da reprovação sistemática, além dos dados históricos do Brasil e da Rede Estadual.

Os “Estudos de Recuperação” ocorrem de 8 a 17 de fevereiro nas escolas estaduais. A ação será realizada com os alunos que apresentaram resultado inferior à média anual ou com frequência menor que 75%. Durante o mês de dezembro, os estudantes que não foram aprovados receberam seu Plano de Estudos de Recuperação personalizado, com a indicação das aprendizagens que precisam ser recuperadas para a continuidade da vida escolar e avanço de ano/série dos estudantes, quando aprovados.

“Diante deste cenário e na busca pela implementação de uma nova política pública, nós classificamos os estudantes como aprovados e em recuperação. Isso é completamente diferente de aprovação automática. Esta é uma situação emergencial para que possamos dar sequência à trajetória curricular dos alunos atingidos pela pandemia. Queremos dar mais uma oportunidade para que as crianças e jovens consigam desenvolver as habilidades necessárias para avançar pedagogicamente”, explica.

O consultor educacional, Raph Gomes Alves, faz uma relação direta da desigualdade social e das reprovações sistemáticas com a taxa de abandono dos alunos.

“É preciso combater a evasão escolar a partir da recuperação das aprendizagens e da garantia de oportunidades para os alunos. A reprovação da Rede Estadual do RS é muito maior que a média do Brasil e nós temos que refletir sobre este processo. A diferença de idade entre alunos do mesmo ano causa um impacto negativo no nível de aprendizagem. Portanto, é preciso rever esta política e tornar a escola mais atrativa para instigar o interesse dos estudantes”, destaca.

De acordo com coordenadora de avaliação educacional da Seduc, Salete Albuquerque, observando as taxas de fluxo escolar no RS e os índices educacionais de aprovação, reprovação, abandono escolar e distorção idade-série, se conclui que a repetência crônica escolar é um elemento que prejudica diretamente o processo de aprendizagem e o interesse do estudante pela escola.

“A partir destes índices e destes resultados é possível elaborar políticas que permitam a mudança deste cenário educacional. É preciso refletir nosso papel de educador e pensar qual é o nosso objetivo com estes estudantes que reprovam. Não podemos fechar as portas para eles. É preciso resgatar e alcançar melhorias no panorama do fluxo escolar da Educação gaúcha”, afirma.

Orientações pedagógicas

A diretora do Departamento Pedagógico, Letícia Grigoletto, trouxe orientações para o desenvolvimento dos “Estudos de Recuperação” nas escolas estaduais. Durante os dois dias do encontro, os Coordenadores Regionais e equipes pedagógicas das CREs trabalham na elaboração do plano de ação para as próximas etapa, conforme a realidade da sua região.

“Para garantir a recuperação das aprendizagens em todas as escolas da rede estadual é importante que ocorra um trabalho em conjunto e encadeado, partindo das CREs para as escolas. Em cada uma das etapas desta mobilização o nosso foco é garantir uma aprendizagem de qualidade para todos de forma inclusiva e equitativa”, enaltece.

Cronograma de mobilização dos “Estudos de Recuperação”

Conforme o cronograma de mobilização e planejamento para a realização dos Estudos de Recuperação, nos dias 19 e 20 de janeiro os representantes das Coordenadorias Regionais de Educação (CREs) estarão em Porto Alegre para definir estratégias de forma conjunta com a Secretaria Estadual da Educação (Seduc).

De 27 a 31 de janeiro, acontecerão encontros com as equipes diretivas das escolas com as respectivas Coordenadorias de Educação das suas regiões para orientações. Já nos dias 6 e 7 de fevereiro, datas que inicialmente haviam sido definidas para iniciar a ação, ocorre a preparação das instituições de ensino para o início das atividades no dia 8 de fevereiro.

Sobre os Estudos de Recuperação

Os estudantes que ficaram em recuperação não desenvolveram plenamente as habilidades e competências estabelecidas no Planejamento Anual de 2022 e, por isso, terão direito ao período de “Estudos de Recuperação”.

Para isso, foi apontado no Conselho de Classe do 4º bimestre de 2022 quais as habilidades, competências e conteúdo de cada componente curricular que deverão ser retomadas no período de “Estudos de Recuperação”. O estudante recebeu, ao final do ano letivo, com seu boletim de desempenho, o Plano de Estudos de Recuperação, com o que precisa desenvolver para a continuidade dos seus estudos.

Presenças

Ainda estiveram presentes o Presidente da Famurs, Prefeito de Restinga Sêca, Paulinho Salerno; a Secretária-adjunta de Educação, Stefanie Eskereski; o Diretor do Departamento de Obras Escolares, Luiz Patrick de Oliveira; o Diretor do Departamento de Administração, Rômulo Medeiros; a diretora adjunta do Departamento Pedagógico, Natália Borges; o superintendente da Educação Profissional do Estado,Bruno Anicet Bittencourt; a diretora pedagógica da Suepro, Raquel Padilha, além de servidores da Seduc e das CREs.

Secretaria da Educação